Investigação

Grupos de investigação do ISEP integram consórcio SmartHealth4All
12-05-2021

O projeto SmartHealth4all - Smart medical technologies for better health and care (SH4All), mobilizado pelo Health Cluster Portugal (HCP)  e liderado pela Siemens Healthineers, teve início em novembro de 2020, sendo financiado pelo Portugal 2020.
O consórcio reúne mais de 30 instituições — nas quais se inclui o ISEP— e tem como principais objetivos desenvolver produtos e serviços inovadores na área da saúde digital e das tecnologias médicas, visando melhorar a vida das pessoas afetadas por doenças crónicas e outras relacionadas com o envelhecimento da população. 

Um projeto multidisciplinar

O SH4All cruza áreas de conhecimento distintas, desde as ciências médicas e da saúde até às engenharias; bem como setores high-tech, como as nanotecnologias; e tradicionais, como o têxtil, o calçado, os plásticos e o mobiliário.
Por ser um projeto mobilizador está estruturado em subprojetos (PPS) que visam criar novos produtos, processos ou serviços (PPS). Todos eles serão acompanhados por uma comissão científica, legal e regulamentar composta pelo HCP, o CEIC, a DGS, o Infarmed, o INPI e pela SPMS

São seis os subprojetos que vão desenvolver as soluções a apresentar ao mercado: 
PPS 1 | Plataforma de Desenvolvimento e Ensaios - Altran 
PPS 2 | Personal Health DevicesRopar 
PPS 3 | Mobile Health Apps - Plux 
PPS 4 | Home Health Devices - Sensing Future 
PPS 5 | Medication Management Devices - Neutroplast 
PPS 6 | Coordenação de Projeto, Promoção, Disseminação e Exploração de Resultados - Siemens

O ISEP é um dos co-promotores desta iniciativa, participando ativamente em dois subprojetos independentes (PPS 1 e PPS 2), através dos grupos de investigação CIETI, GECAD, ISRC e docentes do Departamento de Engenharia Informática (DEI-ISEP). Os investigadores, e docentes, Ângelo Martins (DEI-ISEP) e Arcelina Marques (CIETI) deram-nos a conhecer um pouco mais sobre o trabalho que está a ser desenvolvido.

PPS 1 – | Plataforma de Desenvolvimento e Ensaios

Este subprojeto visa criar uma plataforma de suporte ao desenvolvimento e ensaio «à medida» de produtos/serviços de eHealth e Ambient Assisted Living (AAL).

Ângelo Martins realça que a pandemia Covid-19 veio ilustrar, mais uma vez, a dependência da Europa de fornecedores externos de dispositivos médicos. «Quando a necessidade é global ou as cadeias de fornecimento são afetadas, corre-se o risco de o abastecimento ficar comprometido», explica o docente. Considera ainda que o desenvolvimento deste tipo de soluções enfrenta grandes obstáculos na fase de teste com utilizadores reais, resultantes de uma oferta limitada de serviços neste domínio (designadamente, em Portugal), mas também da complexidade e dos encargos financeiros que lhes estão associados. 

Os principais objetivos da criação da plataforma passam, assim, por fomentar o desenvolvimento nacional de dispositivos e serviços de e-health e AAL, oferecendo serviços de teste e validação de produtos (com utilizadores finais, num ambiente real), o que permite encurtar o time to market.

O ISEP lidera uma tarefa e participa em todas as atividades técnicas do PPS1, que é liderado pela Altran. São de realçar contribuições no design dos serviços base da plataforma e nos serviços de data analytics. Grande parte dos subprojetos do SmartHealth4All, que estão agora a ser desenvolvidos de forma independente, deverão, assim que finalizados, ser testados nesta plataforma. O desenvolvimento deste PPS conta com o trabalho do grupo de investigação ISRC, e com a participação de docentes do DEI-ISEP.

PPS 2 | Personal Health Devices

Uma equipa do CIETI, em conjunto com membros do GECAD, em parceria com a empresa Ropar, com o INEGI e o CeNTI, está a desenvolver um produto inovador, na categoria de Personal Health Devices.

O My Care Shoe é um sapato inteligente para diabéticos, que está instrumentado de forma a detetar as pressões do pé. Arcelina Marques esclarece que «a maioria destes doentes desenvolve o pé diabético, que se traduz, essencialmente, na perda de sensibilidade periférica. Assim, devido à ausência de um mecanismo natural de autodefesa, contra agressões externas, os diabéticos precisam de ser alertados de outra forma.» 

A principal função do My Care Shoe é, então, detetar as pressões anómalas e atuar para fazer a compensação das mesmas, prevenindo a ulceração do pé. Isto é possível graças a um sistema de monitorização da pressão plantar e ao mecanismo ativo de compensação, integrado no próprio sapato.
Estas ações são controladas de forma automática, uma vez que o produto é personalizado para a pessoa que o vai utilizar. A calibração do sapato tem em conta as caraterísticas físicas e o padrão de marcha para que, quando se detetem anomalias, sejam enviados alertas — tanto para o utilizador, como para o mecanismo de atuação —, compensando assim as pressões que não são favoráveis.

O SmartHealth4All foi apresentado publicamente no dia 25 de fevereiro, em formato virtual. O projeto mobilizador prevê um investimento de seis milhões de euros terá a duração de três anos.